sábado, 5 de setembro de 2009

Três Barras - SC - Brasil









Os primeiros moradores da região de Três Barras foram caboclos e cafuzos que trabalhavam para os coronéis donos das terras, recebidas do governo. Mas no final do Século XIX, com a instalação da empresa norte-americana “Southern Brazil Lumber and Colonization Company” – a maior serraria da América Latina –, vieram os italianos, alemães e até japoneses. A ação da empresa foi devastadora: toda a madeira extraída dos 180.000ha das terras do município foi vendida para a fabricação de casas nos Estados Unidos. A madeireira financiou a construção de casas, hospital, clube e a importação de máquinas e locomotivas. A empresa trouxe também o terceiro projetor de cinema do Brasil – equipamento igual só existia no Rio de Janeiro e em São Paulo. O progresso, porém, custou caro: a Lumber tinha suas próprias leis e funcionava como um território norte-americano dentro do Brasil. Pistoleiros vindos dos Estados Unidos tinham ordem de atirar nos empregados descontentes. Em 1938, Getúlio Vargas estatizou a madeireira, que tinha desviado 2.000.000 de libras esterlinas e pedira concordata. Cerca de 1.800 trabalhadores ficaram desempregados.

3 comentários:

  1. como falava o finado pinene ou vitor joao braz,tres barras a cidade que nao esbarra. amo a minha princesinha do planalto...abracos amadeu honorio

    ResponderExcluir
  2. Olá Sandro, tenho muitas vezes a Tres Barras e não consigo identificar a primeira foto... Mais parece Nova Veneza (São Francisco do Rio Morto) que é rodeada de serras e morros. O seu trabalho é muito bonito. Viajo em minhas férias para a região sul e tenho muitas fotos mas o seu trabalho é nota 10. Boas viagens e tudo de bom.

    ResponderExcluir
  3. Oi Sandro, tudo bem?Você era de Três Barras?Conheceu o cinema no CIMH?Tenho um Blog com fotos e registros antigos de Três Barras:www.lumbertresbarrasblogspot.com
    Acesse e confira.Se quiser me escrever, o e-mail é:tioze.artes@bol.com.br
    Um abraço.
    José

    ResponderExcluir